Love is Unconditional

Mas a dura lição a extrair daqui é que, enquanto tal, o amor (relação amorosa) não deve ser o objectivo da vida de cada um de nós – e, por isso, quando nos confrontamos com a escolha entre amor e dever, o primado deve pertencer ao segundo. O amor verdadeiro é modesto, como o do par amoroso que encontramos num romance de Marguerite Duras: enquanto se dão as mão, os dois amantes não se olham nos olhos; olham juntos para o outro lado, um certo terceiro ponto, a sua Causa comum. Talvez não haja amor maior do que o de um casal revolucionário, no qual cada um dos dois amantes está pronto a abandonar o outro a qualquer momento, se a revolução assim o exigir. Não se amam menos do que os membros de um par amoroso que se compromete a suspender todos os seus laços e obrigações terrestres a fim de arder numa noite de paixão incondicional – quanto muito, amam-se ainda mais do que isso.*

 

as the moon´s deepest feelings emerge
rising a silence of darkness and fear….
as you and me,
crawling beneath an enourmous desire of destruction….
we should be maculated,
lost in a quest for a endless time…..
love is unconditional!!!!!!!!!!!

love is uncnditional.jpg

* in Viver no fim dos tempo , Slavoj Žižek

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s